quarta-feira, 8 de março de 2017

NO DIA DE HOJE

No dia de hoje
lembraremos que não há trabalho que homem faça
                                                         e mulher não possa

No dia de hoje
lembremos que, pelo mesmo trabalho, um homem não deve
                                  ganhar mais que uma mulher

No dia de hoje
lembraremos que há mais homens em lugar de poder
                             do que mulheres

No dia de hoje
lembraremos que os homens ainda matam
                                 mulheres porque acreditam-se seus donos

No dia de hoje
lembraremos que nem todas podem votar
e menos ainda podem ser eleitas

No dia de hoje
louvaremos os fatos biológicos únicos e exclusivos delas
que macho algum pode replicar

No dia de hoje
louvaremos o fato de que seus corpos nos atraem
no maravilhoso grito do cio de macho

No dia de hoje
No dia de hoje

No dia de hoje?

08/03/2017

segunda-feira, 6 de março de 2017

PECADOS

Logo eu?
                Tão lanceteado pelo pecado da luxúria!
Logo eu?
                Ser juiz júri carcereiro
de quem se come tão livremente?

A luxúria se não o primeiro
                                 pecado da cabeça
                  é o mais violento
                        mais amaro
                        mais serpentino

Logo eu?
                Que não me vejo no espelho
ser capitão do mato para fomes tão mesquinhas?

Logo eu?
                Cujo único benefício
fora saber me esconder?

Logo eu?
               Que invejo tanto
                quem não tampa
as próprias vergonhas alheias
     por temer            tapa?

Logo eu?
               Dono de quantos pecados!

Sim eu, pois não compartilho
vosso pecado
           primeiro.

VERGONHA

De mim tenho tanta vergonha!

Em todos os lugares são olhos sentenciosos
de cada fagulha uma condenação

Tenho vergonha
Da pele com que me cubro
De qual pele minha língua quer cobrir
De que fé fala esta língua forra

Tenho vergonha
pois cada olho alheio é espelho
                          e vejo só refletido
   naquele ódio
               o ódio que me tenho