sexta-feira, 25 de maio de 2018

CON-SENTIMENTO

deixe-me
                morder teus beiços
                lamber teus lábios
                chupar tua língua
              eu estou tão faminto de ti

fome sem fastio
         sem limites
         sem satisfação

mas se dizes não,
sem tua permissão,
deito-me e faço-me chão,
desapareço na escuridão,
como-me e morro
                              de tua inanição

AFETOS

Se, numa emoção, teu pelo se arrepia,
Ou se um sorriso se arredia
Por uma lágrima indecente,
Aceita que o corpo é quem manda na mente

Se tu procuras por conforto
Só podes achar dentro do teu bom corpo
A Verdade que dos fatos não tem vetos
É esta verdade dos afetos

domingo, 13 de maio de 2018

PORTO PEREGRINO

Como flutuar
sendo sólido
num mundo líquido?

encho-me de ar
mudo de forma

deságuo
desabo
desisto

volto à tona

Como,
num mundo líquido,
flutuar
sendo sólido?

o poeta perdido
o barco desgovernado
o pé sem peso

Ser tábua
para pés alheios
sem fundamento
mas porto peregrino

terça-feira, 8 de maio de 2018

A CARNE DE ELZA SOARES

A voz de Elza Soares é como o metal que tine, ataca os tímpanos a fim de despedaçá-lo num ato perfeito como cristais que vibram.

Sua voz é cheia, elétrica e poderosa como uma motosserra, como uma microfonia afinada.

Há algo mais que técnica e potência, há algo mais que emoção, profunda brasilidade: a alma atormentada de uma negra, pobre, favelada que se contorce como um fantasma em pena eterna.

A voz de Elza é um arco voltaico, relâmpago, suor de corpos. É poder em estado bruto. Sua voz escutamos com a pele, como estática no ar, sentimos como um raio: lampejo e trovejada.

Potência, técnica, emoção: uma voz saída do "Planeta Fome" na forma de Estrela. A voz de Elza Soares é raiva pura.


https://www.youtube.com/watch?v=1YmBHAu-oeg

segunda-feira, 23 de abril de 2018

LENÇOL DE SEDA

Por que não me beijas
e ceda
            teu gosto
ao meu corpo?

Se me desejas
ceda
         teu cheiro
ao meu suor!

O que quer que vejas
que seja
               minha boca
no teu lençol
de seda.

segunda-feira, 9 de abril de 2018

SONHOS

alguns Sonhos são vírus

tentam nos curar com partes mortas doutros sonhos

mas eles mudam
              crescem
              evoluem

nos infectam

de sono em sono 
            de alma em alma 
                       de olhos em olhos 
                                   de milhões em milhões 
                                                            somos um só

revulsionando numa febre utópica

até que não haja mais Sonhos,
só gente 
só povo

trêmulos de esperanças e realidades 


sexta-feira, 6 de abril de 2018

SOBRE LULA

Quando as barras de aço
       Prende alguém inocente
Fazem dele Herói

Quando um líder morre
       Nas garras dos fascistas
Fazem dele um mártir

Se um líder do povo
        Solto arrasta multidão
Livre é presidente