segunda-feira, 20 de agosto de 2012

SONETO: Quando me abandonaste, meu amor

Quando me abandonaste, meu amor,
Eu, por mim, mastigando esta agonia,
Rolei na cama, me rasguei de dor.
         Ia assim remoendo o que sofria
         Sem saber se morria só, calada,
         Ou gritava feito uma louca harpia!
Sentia-me, virava-me uma nada:
Sem teu corpo morria-me sem Céu,
Sem chão, não tinha rosto nem estrada.
         Questionava-me, como insana ao breu:
         Darias para quem o teu amor?
         Foi quando notei que este não foi meu.
Foi morrendo em mim esta pouca dor:
Sol nasce, vida segue, brota a flor...