terça-feira, 11 de agosto de 2015

NÃO SE AMA COM O CORPO

Não posso amar com este
Sólido, rijo, inflexível corpo
Amo com esta boca donde
                                                Líquidas
                                                   Melífluas
                                                      Canoras
                                                         Palavras derramam-se
E dissolvem
                      Diluem
                                   Amolecem os corpos
Estes corpos tão fixos e tão limitados no espaço

Não se ama no espaço
Mas através do tempo
Entre os entes em relações interafetivas

Mas corpos não se conversam, não se multiplicam

Não transcendem de seus próprios gozos

Mas ama-se quando se diz
Quando palavras de um ente transcende-o
Atravessa
               Completa
         Preenche o outro ser
Com o seu próprio gozo