domingo, 2 de fevereiro de 2014

TÊNUE LUZ

Posso queimar 
Enquanto houver amanhã
Nem Sol é eterno 

         Sou meu próprio deus das trevas

Nem Cosmo é infinito
Enquanto houver amanhã
Posso queimar

         Sou meu próprio deus das trevas
Em mim busco meu horror
                                         Distendido por todos os cantos
                                                                               Canto o fogo em mim

Posso queimar de dentro destas trevas
Como a luz que nasce tênue e firme desta madrugada que passa