sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

A CONSTRUÇÃO DO IMPOSSÍVEL


Em pouco mais de 24 horas o atual time do Santos enfrentará o jogo de sua vida: final do mundial de clubes contra o já mítico time do Barcelona. Todos os jogadores, comissão técnica e torcedores estão voltados para este confronto. Para dois indivíduos, no entanto, este embate é crucial.
.
Para Neymar é a chance de provar que já é um world class. Que pode ser colocado no mesmo patamar de Messi, Cristiano Ronaldo, Xavi – e hoje, pelo que está fazendo em campo pelo combalido time do Arsenal, Robin van Persie –.
.
Para Muricy Ramalho, é a chance de mostrar que é um dos melhores técnicos do mundo. Ganhou 3 ligas nacionais – uma das top 5 da FIFA – seguidas, além de uma Copa Libertadores, a única competição com o mesmo nível – pelo menos de importância – da UEFA Champions League.
.
Estranhamente, talvez aquilo que possa mais dar certo contra o futebol total catalão – herdado diretamente da dupla Michels-Cruyff pelo jovem Guardiola – é o anti-futebol do técnico santista, alcunhado tão oportunamente de Muricybol.
.
Uma retranca fortíssima com o máximo possível de jogadores; saída em velocidade extrema nos contra-ataques; aposta na individualidade; chutões da defesa para o ataque atrás da ligação direta – na esperança que o centro-avante segure a bola na frente –; ênfase na bola parada. Esta é a receita do Muricybol, e talvez o que mais funcione contra o Barca. Sobretudo pela ausência de força física do time de Guardiola.
.
Os bleugranas não são perfeitos, como muitos imaginam. A ausência de uma força física e potencial aéreo no time são notórios. Contudo, numa equipe tão talentosa e tão bem sincronizada, são prescindíveis. Mas foi na bola parada para a cabeçada do zagueiro Thiago Silva que o Milan empatou no primeiro jogo da Champions e quase repetiu a dose no jogo de volta. Este é o preço que o Barça paga para estar recheado de atletas extremamente habilidosos e rápidos. Quanto mais baixos os jogadores, mais hábeis são – tem tudo a ver com o centro de gravidade mais baixo –, quanto mais leves, mais rápidos. É uma soma básica. Raros são os Zidanes e os Ronaldos que conseguiam conciliar altura e força com habilidade.
.
E uma coisa que o Santos tem é zagueiro alto. Outro somatório é um técnico especialista em preparar jogadas de bolas paradas – por muitas décadas no Brasil acreditava-se que treinador era pra orientar o posicionamento da defesa e inventar jogadas de bola parada, e deu seus resultados –.
.
O contra-ataque em velocidade, contudo, é o item mais importante nesta receita. Foi assim que o Arsenal bateu o Barcelona no início do ano no Emirates Stadium. Foi somando uma defesa sólida, uma jogada de velocidade de Di Maria sobre Dani Alves com um conseqüente cruzamento perfeito para a cabeçada não menos perfeita de Ronaldo, que o Real Madrid bateu o Barcelona pelo título da Copa do Rei de Espanha.
.
E o mais importante. NÃO HÁ JOGO DE VOLTA. O Arsenal até venceu em casa o Barça, mas como segurar o ímpeto do time azul-grená na volta? Não segurou. Jogo único. Se Muricy não levar gol, pode tentar ser campeão nos pênaltis. Os santistas seriam os mais felizes da Terra e o mundo ficaria um pouco mais triste, pois a covardia e o não futebol teria batido o que há de melhor no esporte.
.
Só resta torcer para que SE o Santos vencer, seja – mesmo na receita de Muricy – no talento de Neymar. Ramalho sempre apostou nos embates individuais – Messi provavelmente terá DOIS MARCADORES INDIVIDUAIS, um volante, caso La Pulga desça para o meio-campo, e um zagueiro, quando estiver jogando de centro-avante –, que aposte também na individualidade de Ganso e Neymar sobre os seus adversários.