terça-feira, 24 de maio de 2011

TEXTO DO BLOG DO TIRONI: O gol contra da Fifa

veja aqui o texto ÓTIMO de Tironi


No dia 7 de dezembro de 2010 o escritor inglês David Goldblatt escreveu um artigo com o título “Gol contra da Fi-fa”. A primeira frase do texto dizia o seguinte: “Não há nada como uma derrota catastrófica para forçar a radicalização”.
Em 2 de dezembro, portanto cinco dias antes, a Inglaterra havia sido humilhada na escolha da sede da Copa do Mundo de 2018. Com apenas dois votos no Comitê Executivo da Fifa, foi preterida pela Rússia.
Quem quiser ler o texto, em inglês, basta clicar aqui:
Goldbatt defende em seu artigo que a derrota da Inglaterra colocava em xeque de uma vez por todas a Fifa, seus processos pouco democráticos, sua estrutura fechada e blindada de qualquer tipo de investigação. A candidatura inglesa era certamente a melhor, mas quem levou foi a Rússia.
Ninguém soube como o comitê executivo chegou a este veredicto, mas a escolha foi tão estapafúrdia que causou espanto no mundo todo. O momento era oportuno para que imprensa, amantes do futebol e sociedade civil clamassem por mudanças.
Goldblatt antecipava o gol contra da Fifa. Ao dar a Copa a uma candidatura pior do que a inglesa, provocou suspeita. A derrota trouxe a radicalização (e esta é uma ótima notícia).
As denúncias transbordam da entidade, a imprensa londrina (a influente BBC em particular) investiga a entidade com apetite voraz e se as provas de corrupção aparecerem, o castelo chamado Fifa tremerá como nunca.
E deverá respingar em gente como Ricardo Teixeira e João Havelange, dois dos nomes citados como envolvidos em assombroso esquema de propina.
No Brasil, se acontecer, a revolução será de fora para dentro. Assim como os ventos democráticos levaram regimes ditatoriais do mundo árabe, o que acontecer lá fora será determinante para o que poderá acontecer aqui dentro. Por enquanto, a estrutura está blindada. Mas uma hora não dará mais para fingir que nada está acontecendo.