sábado, 7 de agosto de 2010

VITÓRIA GLORIOSA!



O BOTAFOGO apresentou, hoje, o melhor futebol do Brasil. Com uma ofensividade e velocidade que lembra muito o que o alvinegro praiano apresentou entre Março e Abril, e com uma pegada, uma volúpia defensiva tão impressionante quanto vistosa. O BOTAFOGO, até os 30' do 2º tempo, não deixava jogar, como o Barcelona que quando está sem a bola faz marcação avançada, com pressão ininterrupta, com, no mínimo, dois homens em cima do adversário - belíssimo sistema defensivo montado pelo Natalino. E o GLORIOSO não defendia só com os volantes, laterais e zagueiros, mas o Maicosuel e o Jobson também sempre em cima, sempre em cima, sem parar!


O que definiu a partida foi justamente esta pressão, mas principalmente a brutalidade com a qual o BOTAFOGO partia para cima do alvinegro mineiro. Digo brutalidade pois havia sempre uma incinsividade, uma vontade de vencer, de bater, de massacrar o adversário, mas sempre jogando bola - o jogo hoje foi limpo, de poucas faltas, e poucos cartões, muito mais pontuais por uma entrada mais dura e isolada.


O Mago voltou! Voltou para casa. Notadamente estava sem ritmo de jogo, ainda, estava lento, não era o driblador implacável, mas a visão de jogo, e os passes continuam afiados. Um dos seus últimos lances em campo foi uma inversão de bola, da intermediária direita para a ponta-esquerda, nos pés do Marcelo Cordeiro que emendou muito mal o cruzamento de primeira. Mas O MAGO voltou!, e num lampejo de sua magia, dribla dois atleticanos, e no meio de mais uns três pelo menos, assiste PRIMOROSAMENTE Herrera, que chuta mal, Fábio Costa defende pior ainda, e o Mago que não tem nada haver com isso, faz o que lhe é mais característico, como diriam os argentinos, o "toco y voy"! Sempre, quando faz estas jogadas próximas a área, o Mago entra, meio que na surdina, entre os zagueiros, esperando estes rebotes ou um toque do pivô, assim fez alguns gols no Carioca-09!


E por falar em Herrera, o argentino tem estrela, consagrou-se o artilheiro do GLORIOSO, com 5 gols, num pênalti sofrido pelo, ótimo como sempre, Jobson, O POSSESSO. E bateu muito mal, e o Fábio Costa foi pior ainda na bola. Mas o argentino tem estrela, participou, decisivamente dos três gols, batendo o pênalti, dando o chute que acarretou o rebote do gol na belíssima jogada do MAGO, e no gol de Somália, foi a "mano de Dios"!


Somália foi outro monstro, os "pretinhos" do FOGÃO estão demais: JEFFERSON-SOMÁLIA-JOBSON-MAICOSUEL! O seu gol, em outro chute bisonho, corou uma partidaça quase perfeita desse garoto! O "10" - meu Deus, dói nos olhos ver o Somália com este número nas costas, a "10", na minha opinião, deveria ir para o Jobson, ou ficar o Lúcio Flávio mesmo, afinal, o 11 não é cativo do Edno, que é banco - chutou (e provavelmente iria para fora), a bola desvia no antebraço do argentino botafoguense e entra, matando o arqueiro 13 atleticano! Concordo com o Gaciba - muitíssimo bem hoje, correto em 99% -: a câmera focalizou bem o juiz, quando este disse para o Diego Souza: "a bola BATEU no braço dele!" Isto mesmo, o Herrera estava no chão e de costas, usando os braços para se levantar, quando viu a bola vindo, tentou tirar o braço, mas não deu tempo: "bola na mão" clássico, pois a lei do futebol não fala da importância do toque, mas se foi intencional ou não. O Argentino foi inteligente também, logo depois de a bola bater nele, levantar os braços, avisando a falta de intenção, e depois sair comemorando o gol como do Somália, se comemorasse como dele, indicaria a intenção de desviar para o gol.


Joel mexeu muitíssimo bem hoje, na verdade montou um time quase perfeito, eu só trocaria o Herrera pelo Abreu e o Alessandro pelo Somália, com isso surgiria mais um espaço no meio ou no ataque. Alessandro, como de costume, foi um dos mais criticados por mim no primeiro tempo e no começo do segundo, eu pedia insistentemente a entrado do Abreu em seu lugar. Com a saída do Marcelo Matos para a entrada de Caio, o time continuou bem - menino jogou muito bem hoje, tanto ofensivamente, com muita movimentação, quanto defensivamente, apresentando-se sempre lá atrás! -, mas quem cresceu com a mudança foi Alessandro, que se tornou uma fera lá atrás, um verdadeiro leão de chácara limpando tudo: sem a obrigação de apoiar, que passou a ser função de Caio, e talvez o medo de ir pro banco fizeram dele um verdadeiro bastião na defesa. Com o cansasso, do ainda fora de ritmo Maicosuel, e a entrada do Abreu, mais para fazer uma média do que relmente fazer alguma coisa, pois o time já não atacava e os ninguém ter acertado um único cruzamento no jogo de hoje, fez com que o time levasse sufoco. Edno, que não foi tão bem como nos últimos jogos, ficou na posição de Maicosuel, para criar as jogadas, como não conseguiu desempenhar a função, o time recuou demais, o que foi o maior erro dos jogos anteriores, deixou o adversário crescer, e teve 1 único chute perigoso contra a sua meta, o que foi rechaçada perfeitamente por JEFFERSON, que provou, mais uma vez porquê é seleção - não é todo goleiro que pega uma bola daquela. Em outro lance, um gol certo do Ricardinho se não fosse a trave.



Taticamente, o BOTAFOGO jogou com um esquema que variava entre o 3-5-2 (na verdade um 3-4-2-1) eo 4-3-2-1, com o Leandro Guerreiro fazendo um líbero, um pouco à frente da zaga, com os laterais bem atrás, defensivamente, mas no momento do ataque, ficava preso, praticamente um zagueiro, para os laterais apoiarem com vontade. Somália apoiava muito pela esquerda, Marcelo Matos ficava mais preso, mas com o bom passe, ajudou muito o time ofensivamente. Com a saída de um volante - Marcelo Matos - para a entrada de um ponta, Alessandro ficou preso pela direita. Herrera ficava mais na frente, embora, por caracterísitca própria, não fique preso, Jobson bem aberto pela esquerda, Maicosuel aberto pela direita, como dois pontas, e muitas vezes, os dois invertiam a posição para donfundir o adversário.


O time mineiro jogou num 4-2-2-2, com Diego Souza armando sozinho, pois Serginho foi apagado no jogo - sua única boa jogada foi, devidamente, morta pelo Jefferson -. A entrada de Ricardinho melhorou muito o time atleticano, pois ajudou a armação, quase fazendo um golaço, sendo o BOTAFOGO salvo pela trave. Obina fixo no ataque, e o Tardelli flutuando pelos dois lados - jogou muito, mostrou porque foi pra seleção, logo, logo, será o Jobson! -.

1º TEMPO:
















2º TEMPO, 1ºS MUDANÇAS:

















2º TEMPO, ÚLTIMAS MUDANÇAS:

.
.
Só um adendo pra quem chamava o Engenhão de "Vazião", talvez o maior público do Brasileirão hoje, mais de 24 mil pagantes, e mais de 27 mil presentes, para presenciar o jogo do melhor ataque do Brasileirão-10, que só perderá o posto se o Corínitans ou o Avaí fizerem 3 ou mais gols nos seus jogos neste domingo.